A psiquiatria geral cuida essencialmente da visão médica da especialidade. A principal função do psiquiatra é fazer um diagnóstico correto de cada caso, a partir de uma avaliação minuciosa de vários aspectos de cada indivíduo, e oferecer a melhor conduta a ser tomada, seja ela farmacológica ou não-farmacológica. Cabe ao médico psiquiatra procurar por possíveis causas clínicas que podem simular quadros psiquiátricos, como por exemplo hipotireoidismo, alterações neurológicas, hormonais ou efeitos colaterais de alguns  medicamentos. Muitas vezes são necessários exames de imagem e laboratoriais para complementar o diagnóstico.

Existe um mito que apenas quando os sintomas estão graves e que precise do uso de medicamentos que se deve buscar um psiquiatra. Em torno de 20% da população pode precisar de acompanhamento psiquiátrico ao longo da vida. Os principais motivos são por doenças do humor e ansiedade. Demais motivos que geram procura por atendimento são: transtorno obsessivo-compulsivo, distúrbios alimentares, transtorno por uso de substâncias, doenças do espectro do autismo, doenças do espectro da esquizofrenia, transtornos do sono, transtornos do controle de impulsos, transtornos de personalidade

O objetivo do tratamento sempre é a melhora dos sintomas e consequentemente a diminuição do sofrimento associado a cada caso e o retorno ao funcionamento normal da pessoa em todas as esferas, social, familiar, profissional e acadêmica. Para isso é necessário um acompanhamento multidisciplinar e as tomadas de decisões são tomadas em conjunto com a equipe e a participação paciente nesse processo.

Medidas de prevenção de doenças, de aconselhamento,  de melhora de qualidade de vida e acompanhamento de um envelhecer saudável também fazem parte das atividades desenvolvidas pela psiquiatria.